domingo, 1 de março de 2009

Dormi e sonhei em Império dos Sonhos

Sempre gostei de David Linch e devo ter assistido a uns três ou quatro filmes deste diretor. Porém, algo estranho aconteceu comigo quando fui tentar assistir ao seu último longa Império dos Sonhos. Estranhamente, passei quase um ano da minha vida tentando assisti-lo e não conseguindo. Primeiramente, junto de amigos, o tempo foi empecilho, já que o filme tem 2h59 de duração. Depois disso, passei por uma séria de tentativas frustradas, deitado no meu sofá laranja, entregando-me deliberadamente ao sono todas as vezes em que tentava assistir ao Império dos Sonhos. O engraçado é que não me lembro de nenhum sonho fabricado durante as dormidas no meio do filme. Ontem, pensei que fosse dormir de novo no meio do filme, mas resisti, bravamente. Para quem curte o estilo de Linch, recomendo, embora tenha gostado mais de Cidade dos Sonhos. O mais bacana do filme, na minha opinião, foi a experiência de Linch com câmeras digitais, que deu um ar de amadorismo, mas ao mesmo tempo de identificação e sinceridade, ao filme. A atuação de Laura Dern também foi digna. Entendimento lógico à trama, muito pouco. Depois de ler uma porrada de textos na internet, chego à conclusão de que não sou o único a não entender muita coisa. Mas, para quê, né?