terça-feira, 24 de março de 2009

Mulheres: amo vocês*

Wilame Prado O autor da frase “mulher é tudo igual, só muda o endereço” provavelmente desconhecia o mundo feminino e, ainda por cima, devia ser machista ao extremo. Quer fazer um teste e comprovar que cada mulher tem as suas particularidades? Não, você não terá de ir obrigatoriamente a algum lar para achar uma dona de casa. Isso porque, hoje, pelo menos aqui no Brasil, as mulheres estão inseridas em praticamente todos os segmentos da sociedade, atuando de maneira ativa em diversos ramos profissionais. A maioria delas, não importando o tipo de profissão que exerce, demonstra uma capacidade incrível de ser polivalente. Ou seja, elas conseguem fazer mil coisas de uma só vez, e isso com inteligência e sem perder a delicadeza. Não é todo dia que se vê pela rua uma mulher tocando violino e andando de bicicleta ao mesmo tempo, assim como naquela propaganda que passava na televisão antigamente. Porém, essa é uma boa alegoria para representar o quanto elas conseguem atingir seus objetivos sem se preocupar com o grau de dificuldade. Andar de bicicleta e tocar violino ao mesmo tempo não deve ser tarefa das mais difíceis para os homens se comparada ao que muita mulher faz ao mesmo tempo: arrumar os filhos para irem ao colégio, escolher a roupa que combine com o sapato e com a bolsa, colocar as almofadas no sofá, dar ração para o cachorro, ajeitar a barra da calça e a gola da camisa do marido e ainda não perder o rebolado para chegar no horário, sã e salva, em seu trabalho. Com os fatos presenciados diariamente, claro está que as mulheres ainda têm muito o que conquistar, pois ainda recebem menos trabalhando o mesmo do que os homens, ainda sofrem violência em seus próprios lares, ainda são alvos de estupradores e marginais desalmados e ainda têm de aguentar o pensamento machista de grande parte da sociedade. Porém, é com beleza, carinho, e muita destreza, armadas, é claro, de batom, blush e bom gosto, que elas vão enfrentando as barreiras, quebrando paradigmas e provando, por a + b, que “Agora é que são elas”. Eu, um confesso adorador das mulheres, parabenizo a todas pelo Dia Internacional da Mulher. Sei que o 8 de março já passou, porém fico tranquilo pelo meu atraso, afinal, todo dia é dia de se fazer uma homenagem a elas. Por fim, aproveito a data para dizer que amo muito vocês: mãe, tias, avós, a minha Denise, irmã, sobrinhas, primas, patroa, sogra, cunhadas, colegas de trabalho, colegas de faculdade, a garçonete que tão bem me atende na padaria, a motorista da circular, a catadora de lixo, a profissional do sexo, a empresária perfumada que passa apressada pela rua, as professoras queridas, a mulher que trabalha na roça, as que um dia me deram carinho e me beijaram com tanto ardor, tantas outras que não me recordo no momento e, claro, as digníssimas leitoras deste cronista. *Crônica publicada dia 10 de março na coluna Crônico, do jornal O Diário do Norte do Paraná
Crédito da imagem: http://www.vivercidades.org.br/publique222/media/tamara_AndroMulherNua.jpg

Um comentário:

Fabio Chiorino disse...

como disse um dia Oscar Niemayer, "a vida é uma mulher do lado e seja o que Deus quiser"