sábado, 17 de janeiro de 2009

Ex-feliz*

Wilame Prado Mesmo com as flores do caminho que me ensinaste a ver Não creio que a vida possa ser um mar de rosas Eu me emocionei com comerciais de bancos na tevê Eu juro que chorei ao ver a criança beijar a mãe Eu acreditei que tudo iria dar certo nesse karma Porém, esqueci completamente que sou campeão em derrotas Eles dizem que devemos olhar para frente, sem desanimar O que ninguém consegue entender é quando há gana em fracassar Ela me fez descobrir o que é ser feliz! Mas o que adianta, se agora acabou? Só me resta escrever, ler, beber e amar Amar sem pensar no amanhã Amar sem medida Amar pelo simples fato de amar Façam como eu: acostumem-se com o fracasso e a derrota Agradeçam pelo mínimo que te foi destinado Não pense que chorar é ruim; purifica a alma Se desprenda das coisas materiais, afinal, traz felicidade Aqui jaz a felicidade de um homem apaixonado Fico na memória póstuma de todos que amaram utopicamente, como eu Agonizei, humilhei, sucumbi Eu e minha solidão Por favor, deixem-me sozinho *Escrito em 25/04/2005

Um comentário:

belino disse...

doce solidão...

entendo bem.

e há alguns dias escutei que sou sensível demais. ainda bem!

abs