sábado, 15 de março de 2008

Parceria entre A Poltrona e Haja Saco

Em minhas indicações de Boas Leituras, tem lá: Haja Saco - jornalistas cheios de prosa e atualização diária. Pois é. Os caras mandam bem. Cinco jornalistas escrevem um texto por dia, de segunda à sexta, e abrem os fins de semana para que parceiros e colaboradores do blog Haja Saco escrevam no espaço, que tem um ótimo número de visitações diárias. Nesse fim de semana, o Fábio Chiorino, um dos integrantes do Haja Saco, disponibilizou uma de minhas crônicas no blog. Confiram: http://hajasaco.zip.net/ Valeu pessoal do Haja Saco!

"Crônico" nascendo

Bom dia, caros leitores do A Poltrona. Como puderam conferir no post abaixo, na matéria do grande mestre Massalli, a partir desta terça-feira serei colaborador de o Diário do Norte do Paraná, publicando crônicas semanalmente na coluna "Crônico". Gostaria de explicar como isso se sucedeu: Na verdade, faz tempo que eu tento publicar minhas crônicas no jornal, desde a época em que o editor do Caderno D+ era o jornalista Marcelo Bulgarelli - aquele que, entre outros trabalhos, faz o excelente quadro na CBN Ruas da História. Bem na época, ele foi desligado do jornal. Mais um tempo se passou e, em dezembro do ano passado, arrisquei mandar algumas crônicas para o editor chefe Wilson Marini, que me pediu para enviá-las ao atual editor chefe do Caderno D+, Jary Mércio. Mandei. Incrivelmente, o Jary gostou dos textos e pediu que eu fosse no Diário um dia para conversar. Isso aconteceu nas primeiras semanas de janeiro. A partir desse dia, passei a enviar crônicas semanalmente ao editor para que ele analisasse meu trabalho ao longo do tempo. Até que, na segunda-feira, 10 de março, retornei ao Diário e conversei com Jary e com Wilson. Ficou definido, então, que eu mandasse as já 16 crônicas ao editor chefe para que ele finalmente as lesse e desse a batida de martelo. Quinta-feira, 13 de março, recebo e-mail do Jary com a notícia de que eu escreveria às terças-feiras no jornal. Então, o jornalista Fábio Massalli realizou entrevista comigo e o fotógrafo Ricardo Lopes veio até meu apartamento para realizar as fotos. Por fim, a matéria saiu neste sábado e, na terça, publicarei a primeira crônica na coluna "Crônico". Jary Mércio - Gostaria de agradecer imensamente ao editor Jary Mércio, pois abriu-me portas e ainda acreditou em minha literatura. Ele é um baita jornalista e tem revolucionado o Caderno D+ do Diário que, a cada dia tem ficado melhor. Primeira leitora - Agradeço também minha noiva, Denise Morais, que sempre é a primeira a ler minhas crônicas, inclusive contribuindo os corrigindo. Além disso, ela é a pessoa que mais me incentiva, dando-me injeções de ânimo para prosseguir no que realmente eu gosto de fazer: escrever. Sonho - Nesse momento, algumas pessoas podem estar dizendo que eu estou exagerando ao ficar tão feliz por escrever crônicas em um jornal de Maringá, mas quero que saibam que "sim" é um sonho realizado, talvez um dos primeiros sonhos concretizados em minha vida. Agradecimento metafísico - Tantas vezes eu decepcionei as pessoas que estão próximas a mim. Dessa vez, talvez esteja dando orgulho, principalmente aos meus parentes. Como queria que meu pai, Wilame Elias Neto, estivesse aqui para ver isso. Dia 1 de maio, faz um ano de seu falecimento. Como queria que meus finados avôs, João Azarias do Prado, morto em 7 de novembro de 2005, e José Elias da Silva, falecido há menos de um mês, estivessem aqui também para olharem um jornal impresso com minha foto, pois para eles as imagens ainda valiam muito mais do que um texto. Como queria que, tia Vani, tia Silvia e tio Mário também estivessem conosco, pois eram pessoas que sempre acreditaram em meu potencial. Parceiros - Bom. Pelos menos hoje, tenho vários amigos do Jornalismo, amigos da História, amigos de Santa Fé, cidade onde minha mãe e todos os outros parentes moram, minha família (noiva), minha outra família em Mandaguari (o pessoal da empresa que eu trabalho: Cláudia Comunicações & Eventos). Tenho, também, desde 8 de janeiro de 2008, os blog-amigos, os blog-leitores do A Poltrona, os quais sinto muita gratidão. Era uma vez, um sábio chinês...: É aí isso pessoal. Corram atrás de seus sonhos, nem que for o de se transformar em borboleta, ou em um sábio chinês. Abraço!