terça-feira, 4 de março de 2008

Prefeitura de SP negocia show de Bob Dylan com entrada gratuita

Apresentação aberta depende de conseguir patrocinadores

A Prefeitura de São Paulo negocia um show de graça do cantor Bob Dylan no domingo (9) para uma grande multidão. A realização do espetáculo depende de patrocinadores já que a data está aberta na agenda do artista e seus assessores concordaram com a idéia.

O cachê para essa apresentação aberta giraria entre R$ 1,5 milhão e R$ 2 milhões. Os dois lugares cogitados para receber o show são o Parque Ibirapuera e o Museu do Ipiranga. A idéia foi levantada pelo senador Eduardo Suplicy, grande admirador de Bob Dylan e que interpretou "Blowin' in the wind" em uma sessão no Congresso.

Bob Dylan começa sua quarta passagem pelo Brasil com dois shows nesta quarta (5) e quinta-feira em São Paulo e uma performance no sábado para os cariocas.

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Musica/0,,MUL336335-7085,00.html?id=newsletter

Crédito da imagem: http://kakaos.files.wordpress.com/2007/12/bob_dylan.jpg

FHC dá a dica: terceiro mandato para Lula

Luiz Antônio Magalhães*

Tudo que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) acha ruim para o país acaba se revelando, com o tempo, positivo para os brasileiros. Senão vejamos: quando o presidente Lula começou a governar, Cardoso criticou com muita contundência o crédito consignado, alegando que os pensionistas seriam levados à bancarrota com os juros cobrados pelas instituições financeiras autorizadas a operar esta modalidade de crédito. Bem, a história mostra que o consignado não apenas foi a grande alavanca do consumo das classes mais pobres como também não levou velhinho algum à falência. Ao contrário, muita gente que estava devendo para agiotas ou pagando taxas de juro muito mais elevadas no cheque especial ou cartão de crédito conseguiu sair do vermelho e, trocando as dívidas, ganhou fôlego para ter uma vida financeira mais saudável. O atual boom da economia brasileira é atribuído em grande parte justamente ao crédito mais farto e barato que surgiu a partir do consignado.

Cardoso também criticou a política monetária de Lula, alegando que o Banco Central não deveria ficar comprando dólares e valorizando em demasia o real. A partir da atuação firme e serena do BC no mercado de câmbio, porém, é que o Brasil conseguiu os recursos para pagar a dívida externa do país, tornando-se credor externo pela primeira vez na história. E é justamente esta condição que está sustentando a bonança interna em meio a uma crise de graves proporções nos Estados Unidos.

Se tudo que FHC acha ruim para o Brasil na verdade é bom, então bom mesmo é prestar atenção no que diz o ex-presidente e fazer exatamento o oposto do que ele prega. Nos últimos dias, o tucano tem "alertado" seus correligionários para o "perigo" de um terceiro mandato para Lula. Bem, pode até ser que o presidente não queira ou as condições não permitam, mas se FHC acha que é ruim, então provavelmente nada seria melhor para o Brasil do que um terceiro governo do presidente Lula...

*Texto de Luiz Antônio Magalhães, retirado de seu excelente blog: Entrelinhas

Crédito da imagem: http://www1.folha.uol.com.br/folha/especial/2002/governolula/images/lula-fhc.jpg