quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Musa do busão

Wilame Prado Oh musa do busão. tu, que és tão cabeluda-loira, tão cheia de carne em regiões eróticas de seu corpo, tão cheia de prata de bali por todos os braços, dedos e mãos, tão cheia de beleza, a ponto de ser destaque entre a multidão. Por que esse bico, então? Por acaso, nunca andaste de busão? É assim mesmo, um na frente outro atrás dois do lado e cinco d´outro lado apertado que nem sardinha em lata de sardinha não se avexe com maltrapilho que tenta relar órgão em sua mundana bunda não se avexe que mulheres sem dentes fiquem te encarando o mundo é bom Logo, Marialva chega você pega sua maleta da Adidas e sai correndo daqui deixando seu perfume importado-do-paraguai no ar e saudade para a platéia e consumidores de passes de transporte público, que estão tão acostumados com o feio, dor, sofrimento e pavor assim como a sua cara, cheia de bico e aflição, louca para sair do busão.