segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Sonho realizado

Santos é a cidade do meu time de coração. Ontem, realizei um sonho de moleque e conheci a Vila Belmiro e o Memorial das Conquistas.
Cheguei a conclusão de que meu Peixe é muito mais gloriososo do que imaginava. Cheguei a conclusão de que é o melhor time do mundo e que seu passado de conquistas é de emocionar corinthiano, são-paulino e palmeirense.
Senti a emoção de levantar a taça do Título Paulista do ano passado e de descobrir que o Corinthians ficou sem vencer do Peixe por exatos 11 anos e 22 jogos.
O gramado da Vila Belmiro é um tapete. Pena estar vazio. Sonhor-mor, o de ir naquele estádio lotado em um jogo do Santos ainda não foi realizado. Mas, quarta-feira, irei no Morumbi ver Peixão e Portuguesa.
Há de ser ter calma para realizar sonhos. Um dia, eles batem à sua porta e, sem que você nem perceba, eles já estão sentados em sua poltrona.

Orelha de livro salva litoral

Bom dia. Desde sexta-feira, estive afastado de notebooks, pc´s, internet. Meu destino foi a cidade de Santos. E, no momento, estou em São Paulo, capital. Viagem legal. Praia é praia. Mas, não foi o mar que me agradou. Nem o sol mediano que pintou por lá. Muito menos o futebolzinho na areia. O que salvou minha viagem mesmo foi um cafezinho que tomei no Café Impreso, uma livraria pequenina, tamanho suficiente para caber uns pares de livros, jornais e um café no fundo. Por lá, depois de tomar café e água com gás, tive o privilégio de ler orelhas de livros mil. Obra de Saramago quase que completa, O Caminho de Los Angeles, de Jonh Fante e outros títulos mais fizeram valer a pena o engarrafamento, a queimadura nas costas, a unha do dedão levantada, os banhos mau tomados e outros infortúnios típicos do litoral. Mesmo assim, não comprei nenhum livro. Quem manda querer viajar. O dinheiro acaba.