terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Um dia de tédio

Se você está como eu, vivendo um dia de tédio, por motivos mil - férias idem, vadiagem, fidelidade ao msn ou um simples atestado médico falso - tenho algumas dicas para o destédio. Sente-se cá na Poltrona. Leia, divirta-se e até reflita. Depois, para saber um pouco mais sobre fatos e boatos, dê uma passada no Rigon, Toscorama e Notícias da Província, por quê não? Mas sua vida precisa de alma, e sua alma precisa de poesia. A Balestra vai remediar - canela, cana, violão, netos e imaginação sem igual com o jogo de palavras. Quer algo mais palpável que internet? Adquira revistões por menos de deizão nas bancas. Dura um mês. Revista piaui, uma das melhores publicações dos últimos anos. Para os esquerdistas, graças a Deus, Caros Amigos. Mas se seu tédio ainda é daqueles grandes para mais de metro, tente uns filmes. Para quem é de Maringá, o acervo do Petrini vale ouro: Poderoso Chefão, Casablanca, Spike Lee a rodo, Almodovar. A locadora Focus Vídeo, perto da BR13, também vai ajudar. Eita tédio forte! A última saída, porém a mais proveitosa, é observar o mundo (cidade) ao seu redor. Da minha janela, por exemplo, em um terreno que já teve plantação de milho, vejo anus brincando, pneu velho jogado, cachorro sarnento vagabundeando. Se não mora no 5º andar, assim como eu, aproveite o quintal de sua casa. Com certeza deve ter uma planta, criança ou velhinho perto de você. Observe e dê valor aos móveis que ainda está pagando nas Casas Bahia. Ande na rua. Vá ao Parque do Ingá e observe como é engraçado o rosto das pessoas que estão se esforçando para manter o ritmo. Viva Maringá. Uma pequena cidade do interior disfarçada de metrópole, onde bolas de capim giram no meio da rua, com direito, inclusive, à blogosfera atuante. Um abraço a todos que estão me apoiando nesse primeiro dia de A Poltrona.

Blogosfera ambulante

Fiquei surpreso ao entrar no Blog do Rigon e ver um post citando meu blog, A Poltrona, novinho em folha. Quem acompanha diariamente a blogosfera maringaense sabe que Rigon é o Rei dos blogs. Para ser ter uma idéia, não dá para se contar nos dedos o tanto de vezes que seu blog serviu de pauta para jornais e rádios maringaenses. É isso aí!

Um por todos e todos por um

"A vida até que é boa", pensa corriqueiramente Alberto, mais conhecido como Betinho Filho do Vento. Difícil um final de semana sem cerveja e churrasco; joga futebol toda quarta e sábado; é capitão do time; organiza amistosos e vai atrás das inscrições para os torneios, que quase sempre resultam em títulos ao Sociedade Esportiva União e Amizade.

No último jogo, a alegria foi tanta de ver o time entrosado, fazendo até tabelinhas, que Betinho, já com pelo menos três garrafas de cerveja no estômago, declarou amor eterno à equipe e a todos que a integram. Antes de não se conter em lágrimas, gritou o clichê mais conhecido no mundo das competições: "Um por todos e todos por um".

Pensando, sempre, na Sociedade Esportiva União e Amizade, Betinho, por ser praticamente dono do time, sente-se no dever de lavar as camisas da dúzia de rapazes que a suam para conquistar vitórias. Sobra, então, para Edna, sua mulher, o serviço de lavadeira. E é sentindo o cheiro de suor de cada um do time que a moça começa a ver despertada sua insaciável vontade de amá-los e sentir-se desejada por um time inteiro de futebol.

Com o passar do tempo, e das cheiradas incontidas, Edna sabe que o camisa 8 é o mais perfumado e, sendo assim, sempre o imagina como o mais bonito. Na camisa número 2, o cheiro acre e dominante a faz imaginar um homem bruto e viril, que “com certeza tem pegada forte”. A camisa 5 exala um cheiro exótico e tentador, o preferido dela. Já o cheiro da camisa 10, a do Betinho Filho do Vento, faz com que Edna se encha de ódio e lembre-se das incontáveis noites que passou, mesmo com um homem ao lado, sozinha, desgostosa. Na briga mais feroz do casal, ela não suportou e sugeriu a ele que fizesse sexo com os integrantes do time Sociedade Esportiva União e Amizade. Nem imaginava que, depois de algum tempo, seria ela mesma a feitora desse ato.

No início, para conhecer os donos das camisas numeradas, convenceu o marido de que é trabalho demais a ele, além de levar todas as camisas do time para lavar, ainda depois devolvê-las a cada jogador. Com isso, então, vez ou outra aparece na casa de Edna os donos das camisas, fazendo com que, agora, os cheiros que sente as lavando tenham corpo, rosto, vida.

O ato de sentir o cheiro das camisas e depois conhecer pessoalmente o dono se estende até hoje na casa de Edna. O Sociedade Esportiva União e Amizade acabou ficando famoso nos vestiários de futebol como o time que tem a mais bondosa lavadeira. Os melhores jogadores da região fazem questão de jogar nesse time. Betinho Filho do Vento, como sempre, está feliz da vida. E, toda vez, antes de começar as partidas, dá o famoso berro "Um por todos" e espera, ansioso, a resposta dos jogadores, que não titubeiam e, com trocas de olhares sarcásticos, gritam: "Todos por um".

Como arruma as horas?

Poltrona, um programa de rádio que ficou na gaveta

Ano passado, no mês de novembro, fiz um projeto de programa de rádio, que intitulei de Poltrona. Seria um programa cultural, onde entrevistaria pessoas de Maringá e região, a fim de saber gostos literários, musicais e fílmicos. Até hoje não tive resposta da Rádio Cesumar. Para quem não sabe, alunos de jornalismo do Cesumar têm a liberdade de inventar programas e, quem sabe, ter seu espaço. Eu não tive. Talvez, pensando bem, nem teria tempo de fazê-lo bem. Já que não estou nas ondas do rádio, resolvi estar na blogosfera, fenômeno saliente em Maringá. Vai ter de tudo aqui. Mas, por enquanto, não tem nada. Sentem-se.

Primeira postagem

Já sei. Quase ninguém vai ler isso, mas tudo tem um começo. Não consigo mexer nas configurações, o que pode ser constatado na péssima diagramação. Vou tentar mandar uns e-mails para meia dúzia de amigos para ver se consigo a façanha de alguém me ler.