quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Obama, espelhe-se no Carlinhos*

Wilame Prado Ultimamente, o assunto principal da rodinha diz respeito a um homem negro que se tornou presidente dos Estados Unidos, chamado Barack Obama. Legal estar vivendo este momento. Gostoso ligar a tevê e ver o Jô Soares dando um gritinho de vitória quando do resultado nas eleições daquele país. Até o nosso querido cronista Antônio Roberto de Paula relatou, em sua última crônica, no domingo, sobre um amigo que chora de emoção pelo ocorrido. Este fato marcante foi o pontapé inicial para a abertura de debates acalorados sobre racismo e outras questões de pele. Muitos dizem que Obama não ganhou as eleições só por ser negro. Outros temem que, com a chegada de um negro a um dos cargos mais importantes do mundo, a premissa de que a cor não impende ninguém de alcançar seus anseios profissionais (querer é poder) seja utilizada em discursos de racistas camuflados, que escondem sua doença mental com papo furado de meritocracia progressista. Nas imagens transmitidas diretamente dos Estados Unidos para nós, brasileiros, Obama parece ser uma pessoa legal. Mas não vai ser a semiótica da tevê, construtora de uma imagem carismática de um político, que vai me fazer acreditar num mundo melhor só porque um negro assumiu pela primeira vez a direção de um país imperialista, consumista, poluidor ao extremo e encrenqueiro. E já que não posso dizer mais nada sobre o "Obaminha", gostaria de lembrar de outra pessoa negra, pela qual sinto um enorme carinho. Esta sim, eu sei, pode e já está construindo um mundo melhor, com sua honestidade e trabalho. É o Carlinhos, meu primo, morador da pequena Santa Fé. Na escola, só tirava notas boas. Meio tímido, é aquele tipo de pessoa que espera você conversar para abrir a boca. O tempo passou, ele continua indo à missa aos domingos, casou-se e faz pouco tempo que se mudou para sua casa própria. Trabalha desde pequeno com meu tio e padrinho, o Zé Preto, na roça. Aprendeu a dirigir também ainda moleque, mas, correto que só, não conduzia a pampa (alguém se lembra deste carro?) na cidade, mesmo com a insistência do pai, apenas no trabalho, na área rural. Desconheço algum inimigo seu, assim como não conheço alguém que tenha raiva dele. Carlinhos não fala mal de ninguém, não tem vícios e é adorado pelos primos menores e pela minha avó. Um exemplo de vida. Se a maioria das pessoas fosse igual ao meu primo Carlinhos, aí sim acreditaria que poderia haver um mundo melhor. Eu sei que não existe desvio de caráter, para mais ou para menos, pelo fato de a pessoa ser negra, branca, amarela ou verde. Mas, posso afirmar, sem medo de errar, que todos os negros que eu conheço são honestos, trabalhadores e íntegros. Portanto, fico feliz pela vitória de Obama. Se ele for pelo menos parecido com o Carlinhos, pode ser que haja esperança. *Crônica publicada dia 11 de novembro na coluna Crônico, do jornal O Diário do Norte do Paraná
Crédito da imagem: http://weblogs.newsday.com/sports/watchdog/blog/BarackObamaHS.jpg

4 comentários:

Lucas disse...

Confesso que a minha preferência por Obama se deu de uma forma hipodérmica. Não vou entrar em detalhes neste espaço, mas apenas dizer que a mídia constrói e destrói o que quiser... John McCain tem uma história de vida extraordinária – herói de guerra com um curriculum invejável. Pena fazer parte dos Republicanos. Já o novo e inexperiente presidente vai precisar manter o padrão das manchetes publicadas durante sua campanha para ter um bom relacionamento internacional. Vamos torcer para que o amadorismo vença a experiência e prove seu valor.

Isabella disse...

A vitória de Obama representa a concretização de um sonho, em um país onde houve a morte de Martin Luther King e as pessoas negras eram menosprezadas, foi sem dúvida uma mudança grandiosa ao mundo.
Vamos esperar que ele enfrente a responsabilidade e faça jus aos votos de confiança.

fábio castaldelli disse...

grande Wilame! Muito boa cara! só vim lhe dizer que dessa vez vc se superou!

abraço grande e que todos nós sejamos como o carlinhos...

rodolfoviana disse...

wilame, meu rapaz. obrigado pela visita no meu recém-lançado blog. (inclusive, o sr. inaugurou os comentários! três vivas!) a lili me disse que tem um amigo "muito inteligente e que escreve bem", a quem ela deve um novo layout de blog, à propósito. resolvi conferir e ela tem razão! realmente muito interessante seu blog. prometo voltar outras vezes (nem que seja para pedir açúcar emprestado).

abraços grandes e vida longa a você, à poltrona e ao carlinhos.

rodolfo viana