quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Sobre a sustentabilidade do regime requiônico

José Aparecido Fiori (*)

Apague este spot light! A polêmica requiônica se o governador do Paraná deve fazer uso, Jornalístico que sim, "político" que não, da TV Educativa, apimenta o indigesto jabá já salgado de se deglutir por essas podres bandas da República das Araucárias. Se os holofotes da Globo podem "decidir" algum pleito, como se diz à boca miúda e graúda, insinuando que o governador Requião (PMDB) já teria sido reeleito num primeiro turno, contra seu forte adversário, Osmar Dias (PDT), para o qual perdeu por minguados votos, não fossem o anti-marketing da globeleza, então porque as estirpes requiônicas e sua ilustre asponagem não podem, igualmente, fazer uso de televisão pública do povo, do povo massa de manobra, como marketing da sustentabilidade governamental?

O governador perdeu as eleições nos grandes centros, inclusive em Curitiba, mas arrebanhou picadinhos de sufrágios nas regiões de menor porte, o que lhe valeu a vitória de Pirro no Paraná. Policial Rasera, araponga preso na época eleitoral como suposto conspirador para desfavorecer o "avanço requiônico" naquele então pleito..., não se parece de bom senso que áulicos agravem a ele a "quase derrota" do governador.

Míopes, estrábicos ou menos qualificados, inclusive da imprensa, observadores de lupa longe do front deste governo, acham que a manutenção do status quo estaria imune às garras do impoluto, soberbo e discricionário poder judiciário, que funciona à base da economia do mercado, proporcionando sustentabilidade financeira ao labor advocatício.

Todos somos vítimas, inocentes ou não, do poder cataléptico e seus tentáculos rabulísticos.

O bom senso faz acreditar que as aulinhas de mobral, moral e cívica lecionadas pelo professor Requião precisam ser recicladas por nova lei de diretrizes e bases. Enquanto isso não se faz, acossado por advogados bem pagos, o judiciário acordará de seu sono dogmático para fazer suas incursões, justas ou não, para bem ou mal marketing de um governo em constante busca de holofotes. (*) José Aparecido Fiori - jornalista - joseafiori@hotmail.com

Nenhum comentário: