terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Desenvolvimento sustentável não é pauta*

Meios de comunicação preferem as notícias sobre assuntos banais a promover campanhas de conscientização ambiental Wilame Prado Assuntos mil são abordados em pautas, que mais tarde viram notícias para os jornais preencherem páginas (impresso), minutos (televisão e rádio) ou atualizações (internet). Porém, dentro desse leque de assuntos, a prática do desenvolvimento sustentável dificilmente é vista como tema possível para esses jornais, que acabam ocupando seus espaços com temas banais, como colunas sociais ou ênfase exaustiva a um milésimo gol ou à visita de um papa. É fato que em grande parte do mundo está acontecendo uma extensa devastação da natureza por meio, principalmente, da ganância desenfreada do homem. Isso parece óbvio para a maioria das pessoas, entretanto, poucos enxergam uma solução para o que está ocorrendo. Mas, e os meios de comunicação, enfocam esse problema? Pouco, quando analisado o grau de urgência de se proteger o meio ambiente. Na verdade, o assunto só é lembrado quando não restam muitas saídas para reverter a situação. Pode-se ter como exemplo, a triste notícia que circulou no início deste ano, divulgada pelo relatório do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas) da ONU: a de que o aquecimento global está provocando diversos fenômenos degradantes no mundo. Quando a situação se torna catastrófica, os jornais de toda parte esgotam seus espaços falando do assunto, afinal, as notícias trágicas sempre chamam mais a atenção do público. Os detentores dos meios de comunicação fingem que são cegos perante o problema ambiental que o mundo está vivenciando. O poder inigualável das mídias, pelo menos uma vez, deveria ser utilizado em prol de uma causa nobre, já que quando querem manipular a sociedade, com notícias recheadas de ideologia e interesses políticos, os esforços não são medidos. Os meios de comunicação derrubam presidentes, fazem bandidos virarem mocinhos e conseguem (com o seu silêncio ou com extraordinárias coberturas jornalísticas de fatos irrelevantes) fazer com que a maioria das pessoas nem se lembre mais de falcatruas recentes, feitas por políticos corruptos. Parece mágica! Já passou da hora de se realizar um debate massivo sobre a conservação do meio ambiente. Os meios de comunicação deveriam se utilizar dessa "mágica" para promover uma ampla e eficaz campanha de conscientização, tornando possível a prática do desenvolvimento sustentável. O jogo de interesses, que corrompe a grande mídia e que gera tanta notícia fútil, há de acabar um dia. Vai chegar um momento em que viver será uma atividade árdua, em razão da total escassez de recursos naturais. Sendo assim, quem sabe os jornais do mundo inteiro deixem de lado a inutilidade pública e resolvam pautar o desenvolvimento sustentável, suplicando pela conscientização das pessoas. *Artigo publicado primeiramente no Jornal Matéria Prima, em 2 de junho de 2007, no Globo Online, em 21 de junho de 2007 , e na revista Caros Amigos do mês de julho.

Nenhum comentário: